ESTE BLOG SERÁ UM CANAL DE EVANGELIZAÇÃO PARA TODOS OS POVOS .

QUE POSSAMOS AJUDAR A QUEM PRECISA COM NOSSAS PALAVRAS DE CONFORTO, DE TESTEMUNHO E DE FÉ. QUE O SENHOR ABENÇOE RICAMANTE CADA UM DE VOCÊS QUE ACESSAR SE TORNAR SEGUIDOR. PAZ DO SENHOR A TODOS!

E POR MIM TAMBÉM!

E POR MIM TAMBÉM!

LEMBRAR SEMPRE!

LEMBRAR SEMPRE!

Ouça o que DEUS quer te dizer!


ALIMENTE-SE COM ESTA PALAVRA

ALIMENTE-SE COM ESTA PALAVRA

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

VOCÊ É PÓ , CACO OU BARRO?

-Tema: QUEBRANTAMENTO
Isaías 45.9
-Introdução: O texto bíblico acima mostra claramente que quando olhamos para nós mesmos em relação a Deus devemos sempre lembrar que somos feitos do pó da terra.
A Bíblia diz que “formou o SENHOR Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente” (Gênesis 2.7), ou seja, Deus molhou a terra, quebrou os terrões e amassou o barro, para formar o ser humano do pó da terra. Este contato do Senhor nos moldando demonstra seu amor para conosco.
Contudo o pó pode estar em três estados: poroso, úmido ou endurecido.
A terra porosa é o pó em si sem mistura, mas não há como fazer nada com ele a menos que seja misturado com água e bem amassado para ser moldado. O caco é o pedaço barro seco quebrado e também não há como fazer nada com ele amenos que seja bem quebrado, triturado ou moído e volte a ser como pó para então ser molhado e formado como barro novamente. O barro é a massa moldável que pode ser formada em diversas formas.
A vida espiritual pode ser comparada com a terra em pó, em cacos ou em barro. Muitas vezes estamos secos, outras vezes estamos endurecidos. Precisamos ser moldáveis como o barro nas mãos do Senhor.
Como você está?
Vamos refletir sobre estes três estados:
1- CACO: Isaías 30.14
O caco é o barro endurecido e precisa ser moído para ser moldado.
Quando estamos endurecidos, rígidos e sem fé, precisamos ser quebrantados por Deus.
O que endurece o nosso coração? O orgulho, a incredulidade, a religiosidade, tradicionalismo, falta de temor de Deus... tudo isso endurece o ser humano fazendo com que “têm cauterizada a própria consciência” (I Timóteo 4.2).
O caco representa a pessoa que mesmo sendo religiosa, está endurecida. Não reconhece seus erros. Coloca a culpa nas pessoas e acha que é vítima. Por isso o ‘caco’ fere o seu próximo.
A pessoa que está como um caco, acha que já está formada e moldada e não precisa mudar. Até que seja totalmente quebrada novamente e reconheça a necessidade de transformação.
O apóstolo Paulo é um exemplo de pessoa que foi como um caco. Ele era religioso, mas o orgulho endurecia sua fé e não queria se converter. Mas Deus quebrantou ele até o pó para ser transformado num novo homem (Atos 9).
Davi certa vez disse que estava assim: “Secou-se o meu vigor, como um caco de barro, e a língua se me apega ao céu da boca; assim, me deitas no pó da morte” (Salmos 22.15). Ele foi quebrantado por Deus quando reconheceu que estava na dureza do pecado.
Não endureça seu coração (Salmos 95.7,8), pois será como um caco que precisará ser moído.
Você já se sentiu como um caco?
Deus quer quebrantar e remodelar sua vida!
  
2- : Isaías 26.5
O pó é seco e precisa ser molhado para ser moldado.
Quando estamos secos e ‘esfarinhados’ pelos atritos desta vida, somos como o pó da terra e precisamos ser molhados para ser moldado.
O que molha o pó? Há duas coisas que molham o pó: lágrimas (Salmos 42.3) e a água da Palavra de Deus para quem está sedento da presença do Senhor (Salmos 42.1). A palavra de Deus e as lágrimas tornam nossas vidas mais moldáveis. As lágrimas que derramamos são úteis para reconhecermos nossa necessidade de Deus e mudar de vida umedecendo o que estava seco.
Davi também foi um exemplo de pessoa que estava no pó do pecado e teve que reconhecer sua necessidade de Deus dizendo: “Pois ele conhece a nossa estrutura e sabe que somos pó” (Salmos 103.14).
As coisas do mundo enfraquecem a fé para você secar diante de Deus (I João 2.16).
Você já se sentiu como o pó?
Deixe Deus molhar sua vida com a água da Palavra!
                              
3- BARRO: Isaías 64.8
O barro é a massa de pó de argila e água e pode ser moldado facilmente.
Deus disse: “Não poderei eu fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel? — diz o SENHOR; eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel” (Jeremias 18.6).
Precisamos manter nossa vida sempre irrigada pela Palavra de Deus (II Pedro 3.5) para nunca secarmos ou endurecermos impedindo de ser moldados pelo Senhor.
O apóstolo João era um jovem discípulo de Jesus que em toda sua vida teve um coração sensível à ação do Senhor. Ele gostava de deitar a cabeça no peito de Jesus para sentir seu coração bater expressando seu amor e carinho (João 21.20).
Permita que Deus molde seu temperamento, atitudes e caráter. Cuidado com as coisas do mundo que endurecem o seu coração contra Deus.
ocê já s sentiu como barro?
Deus o Oleiro, seja barro nas mãos do Senhor!
Deus quer moldar sua vida!
-CONCLUSÃO:
Como é triste vermos pessoas que estão secas e enrijecidas não aceitando o Senhor. Também há pessoas que estão no pó, mas não permitem que Deus as toque.
Todos nós já estivemos como um caco que precisou ser triturado e como o pó que com lágrimas precisou ser molhado. Mas como é bom estar sendo amassado pelo Oleiro que molda nossas vidas. Com certeza Ele fará uma peça de honra para o Seu nome.
Não endureça seu coração!
Não siga as coisas do mundo que te levarão ao pó!
Deixe Jesus a água da Vida te molhar e moldar!

Assista esta mensagem:

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

PERDÃO É UM ATO DE FÉ E DE CORAGEM




Meditemos nesta palavra:

Tiago: 4. 11. Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de um irmão, e julga a seu irmão, fala mal da lei, e julga a lei; ora, se julgas a lei, não és observador da lei, mas juiz. 12. Há um só legislador e juiz, aquele que pode salvar e destruir; tu, porém, quem és, que julgas ao próximo? - Bíblia JFA Offline

Todos nós erramos, cometemos falhas, a palavra de Deus diz que pecamos por palavras, atitudes e pensamentos. Precisamos da Graça, Bondade e Misericórdia do SENHOR diariamente e sempre.
Quem nunca errou que atire a primeira pedra diz o SENHOR em sua palavra.
" Perdoar é um ato de coragem de quem foi ferido e de muita fé. " 


Recebi estas palavras e quis compartilhar. O mais importante é reconhecermos nossos erros, pedirmos perdão por eles e clamar a DEUS pra não cometer mais. Davi foi o homem segundo o coração de Deus. Errou muito, pagou o preço , mas algo nele diferenciava dos demais. Tinha coração quebrantado diante de Deus. Reconhecia seu pecado e clamava a Deus por Sua Graça, Bondade e Misericórdia.


Quando não liberamos perdão nem a nossa oração o SENHOR recebe. Nada ! Coração cheio de raiva, ira, ódio, não tem como DEUS operar. O perdão faz bem para aquele que foi ferido, porque o liberta das algemas que o mantinham presos.,


Portanto, devemos ter um coração que saiba perdoar e esteja sempre pronto para recomeçar com JESUS CRISTO. A palavra de DEUS diz que se não perdoarmos nossos irmãos nada o SENHOR recebe de nós. Pensemos nisto.

Irmã Neusa Amorim

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Como Aumentar Sua Fome Pela Palavra de Deus?




“Desejai …, o leite racional, … para que por ele vades crescendo” (1 Pedro 2:2)

A palavra “desejar” significa pedir com insistência, anelar ansiosamente, sentir-se com uma grande necessidade. Dessa forma:

(1) Peça a Deus que se revele nas Escrituras

Enquanto leia, espere que Ele se manifeste. Recorde-se que seu objetivo é construir uma relação e não comentar um texto! Escute: “… é chegado o Reino do Céu!(Mateus 4:17). A medida que leias, seja consciente de que Jesus está presente. Peça que limpe sua mente. Espere ser comovido por seu amor, convencido de algum pecado ou animado a fazer algumas mudanças em sua vida.

2) Leia a Bíblia com um coração contrito

Seja Vulnerável ! O que buscas não é informação mas sim transformação. Não ser transformado pela Bíblia é pior do que não tê-la. Jesus disse:” Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado”. (João 15:3)

(3) Medite uma passagem curta ou uma palavra

Isso pode significar que mude sua atitude de querer ler a Bíblia rapidamente à escutar ao Senhor falando. O êxito não está na quantidade de páginas que lês; Deus não tem uma tabela para anotar a quantidade de páginas que está lendo ao dia para te conceder uma estrela de ouro por isso. Sua meta não é avançar nas Escrituras, e sim que as Escrituras avancem você !

Se levar a sério o desejo de aumentar a sua fome pela palavra de Deus , tome mais um momento e releia a leitura bíblica de hoje.

No Amor do Senhor Jesus Cristo

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Jovens religiosos preferem namorar sem sexo


Jovens religiosos preferem namorar sem sexo (Foto: Divulgação)
Organizado, o movimento Eu Escolhi Esperar possui produtos como camisas, pulseiras, colares e outros tipos de souvenirs. (Foto: Divulgação)
Esperar ser atendido, esperar em um sinal de trânsito, por uma consulta, esperar para reencontrar um amigo, familiar ou pessoa querida... A espera em geral é associada à perda de tempo, a minutos que parecem horas, a horas que parecem dias. Gera impaciência e incomoda. No entanto, para algumas pessoas, em especial jovens, comumente vistos como impacientes e apressados, esperar é, mais que uma alternativa, uma escolha.
Assim pensam e vivem os membros do movimento Eu Escolhi Esperar, que preferem seguir a Bíblia e somente ter relacionamentos sérios e relações sexuais após o casamento. O movimento, criado em Vitória-ES, já conta com milhares de entusiastas e seguidores no país inteiro e ganhou maior visibilidade nos últimos dias, quando o zagueiro David Luiz, grande nome da seleção brasileira na Copa 2014, disse também ter escolhido esperar, junto com sua namorada portuguesa Sara Almeida, indicativo de que a iniciativa está ganhando adeptos pelo mundo.
Em Belém, o movimento também vem ganhando força, em especial entre os jovens, principal público alvo da campanha. A estudante universitária Tamires Coutinho, 18 anos, é uma das seguidoras. Segundo a jovem, que é líder de uma célula religiosa da Igreja Quadrangular, a iniciativa remete à história bíblica de Isaque e Rebeca, escolhida por Deus para ser a esposa de Isaque. O movimento também se baseia em Tessalonicenses 4, 3: “Pois esta é a vontade de Deus: a vossa santificação, que vos abstenhais da prostituição”  e “que cada um de vós saiba possuir o próprio corpo em santificação e honra”.
Ainda de acordo com os seguidores do movimento, as pessoas estão começando suas experiências sexuais cada vez mais cedo e também "se iludindo" com relacionamentos, o que geram crises e problemas que ultrapassam a barreira dos relacionamentos "amorosos".
O movimento une temas polêmicos, como a utilização do corpo, prazer, sexo, virgindade e expectativa sobre relacionamentos sérios, além da crença religiosa. Para os seguidores do movimento, no entanto, as polêmicas não parecem preocupar. Segundo Tamires, "não temos preconceito contra quem não segue o movimento e esperamos que nos respeitem também", destacou.
Religião e organização
Longe de ser uma campanha pequena e aleatória, a organização do movimento impressiona: hásite oficial, perfis em redes sociais, diversos souvenirs à venda e um cronograma nacional de eventos que visam apresentar e discutir os princípios do movimento. Belém não está de fora deste calendário.
Pela segunda vez, o "Eu Escolhi Esperar" será realizado na capital paraense. Segundo Carlos Eduardo Cabral, organizador do evento, em 2014 o encontro contou com a presença de cerca de dois mil jovens, de diversas igrejas evangélicas. O movimento, no entanto, não é específico de alguma igreja e nem pode ser considerado uma seita ou algo do tipo; é um "modo de viver", esclarece. É ainda Cabral que comenta que o movimento ganhou destaque também por conta das redes sociais via internet: "O twitter foi muito importante para nós, ajudou a reunir e divulgar nossas propostas para muita gente", afirmou.
O evento Eu Escolhi Esperar Belém será realizado no próximo dia 26 de julho, no Templo Central da Assembleia de Deus. Os ingressos custam R$20,00.
(Enderson Oliveira/ DOL)


quinta-feira, 8 de maio de 2014

Lidando com as perdas...


Texto de Anderson Cassio Oliveira
Tenho aprendido com o Senhor que o ser humano não sabe lidar com o fatalismo quando este ocorre e lidar com as perdas, quando elas acontecem em nossas vidas. E isso vai da coisa material mais inexpressível até a perda da pessoa mais importante de sua vida.
É claro que existe diferença de perder algo e perder “alguém”, porém nosso mundo anda tão louco, com uma inversão de valores tão grande, que tem pessoas que dão mais valor as perdas materiais do que a perda de alguém mais chegado. Mais uma vez o Senhor fala comigo através da história de um homem que aprendeu a lidar com as perdas. Ele perdeu tanto pessoas mais chegadas quanto bens, e isso com um detalhe: “tudo aconteceu de uma vez só”.
Seu nome era Jó, um homem de bens, sincero, reto e temente a Deus.
Porém, amados, como aconteceu com Jó, existem momentos em nossas vidas que somos provados na nossa fé em Deus.
Muitas vezes as más notícias nos acometem e ficamos “sem chão”, sem saber o que fazer. Imagine quando elas vêm em seqüência, como na vida deste homem, pois diz a palavra que quando um mensageiro vinha com uma má notícia, outro vinha com outra pior (Jó 1:13-19).
Jó de bem aventurado e próspero se tornara uma pessoa em ruínas, de escolhido a rejeitado, de abençoado passou, digamos, a amaldiçoado em pouco tempo. Parece exagero usar essas expressões, mas este é o sentimento de quem é acometido por uma avalanche de más notícias e perdas. Jó foi uma dessas pessoas que souberam assimilar o fatalismo e as perdas, sem abandonar a Deus.
Imagine você, se uma má noticia já traz transtornos enormes, imagine várias ao mesmo tempo.
Jó tinha tudo para descrer em Deus, mas Ele preferiu bendizer o nome do Senhor(Jó1:21).
Jó preferiu a morte do que amaldiçoar a Deus(Jó 2:9-10).
Apesar de seu sofrimento aumentar, Jó preferiu não abandonar seu Deus. E mais, além do sofrimento, teve que ouvir acusações injustas de “seus amigos”. Aliás, quando somos acometidos de perdas e passamos por aflições, não nos faltam conselheiros “da parte de Deus”.
Resumindo, Jó suportou a dor de perdas de familiares, uma doença de morte, uma mulher descrente, amigos insensatos, mas acima de tudo, a prova de Deus. No começo não entendeu os porquês da prova, questionando até sua própria existência(Jó 3:10), mas ao final obteve conhecimento de Deus e êxito. É claro que não foi fácil para Jó enfrentar a tempestade, os ventos contrários do fatalismo que foi acometido, mas Jó conseguiu ver o ciclo mudar em sua vida.
Ciclos são uma série de acontecimentos que se sucedem em tempo determinado e, como disse Salomão, eu reenfatizo:
“Tudo tem seu tempo determinado e há tempo para todo propósito.”(Ec 3:1)
Meditando na vida de Jó podemos entender que não existe ciclo de vento contrário que dure para sempre. Os ciclos de ventos contrários na vida de Jó duraram um tempo, o tempo do propósito de Deus. Para todo propósito, existe uma prova. Muitas vezes a intensidade da prova de Deus é proporcional a fé que possuímos Nele. Creio que quanto maior a prova, maior é o propósito que Deus tem para uma vida, apesar das perdas que somos acometidos.
A palavra de Deus diz: “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” (Romanos 8:28)
No final Jó entendeu o propósito de Deus sobre sua vida.
A perda em si, no meio da prova, qualquer que seja, não significa derrota. Jó teve perdas, mas não foi derrotado.
Se analisarmos bem quem saiu derrotado nessa história, mais uma vez foi Satanás. Sua acusação se tornou infundada, e o propósito do inimigo frustrado.
Já diria o Apóstolo Paulo aos Romanos: “Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica? Quem os condenará?”
“Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo ou espada?”
Jó sobreviveu a acusação, superou a tribulação, angústia, a perseguição e o perigo.
Através de sua vida, Jó calou Satanás, conheceu a Deus mais profundamente, entendeu o propósito de Deus sobre sua vida e de quebra recebeu recompensas: uma ter se tornado confiável para Deus, a outra foi a restituição por Deus em tudo em dobro(Jó 42:10), e ao invés da vergonha, o Senhor deu a Jô, dupla honra, pois assim diz o Senhor:
“Em lugar da vossa vergonha, haveis de ter dupla honra; e em lugar de opróbrio exultareis na vossa porção; por isso na sua terra possuirão o dobro, e terão perpétua alegria. Pois eu, o Senhor, amo o juízo, aborreço o roubo e toda injustiça; fielmente lhes darei sua recompensa, e farei com eles um pacto eterno. E a sua posteridade será conhecida entre as nações, e os seus descendentes no meio dos povos; todos quantos os virem os reconhecerão como descendência bendita do Senhor.”(Is 61:7-8)
E assim abençoou o Senhor o último estado de Jó, mais do que o primeiro. (Jó 42:12)
Assim como Jó, o Senhor quer mudar a sua sorte, mudar o seu ciclo. Basta você entender a soberania de Deus e o propósito que Ele tem para sua vida. Não tentar entender os porquês de tudo, discutindo com Ele.
Quem somos nós para discutir com o Todo Poderoso. (Rm 9:20;Jó38;40)
Mas para isso você deve entender que mesmo com Deus, você passará por aflições, por tribulações, mas Nele existe a paz que você necessita, pois assim diz o Senhor:
“Tenho-vos dito estas coisas, para que em mim tenhais paz. No mundo tereis tribulações, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.” (Jo 16:33).
Jó entendeu a lição e a prova que o Senhor lhe dera, quando confessou diante de Deus que Ele podia todas as coisas (Jó 42:2), e quando admitiu sua ignorância em conhecer a soberania de Deus e o propósito Dele para sua vida.
Assim, entendeu o plano de Deus sobre sua vida, lidando com as perdas e entendendo que diante de todas as coisas (provas e circunstâncias), nós somos mais que vencedores por meio daquele que nos amou, seja nos momentos de alegria ou nos momentos de dor.
Como está escrito: “Por amor de ti somos entregues à morte o dia todo, fomos considerados como ovelhas para o matadouro.”
Mas em todas estas coisas somos mais que vencedores, por aquele que nos amou.(Rm 8:36-37)
Amados, não importa qual seja sua condição, sua situação nesse momento, saiba somente uma coisa: somente Jesus pode repreender os ventos contrários de sua vida e as ondas de perdas que você foi acometido, pois só Ele tem soberania para isso.(Lucas 8:25)
Se você foi acometido de perdas, saiba que isso é um ciclo, um vento forte que está passando, mas não durará pra sempre.
Nosso Deus não está dormindo, mas não fará nada fora de sua soberania, até que você confie de todo seu coração Nele, até que Ele veja o propósito em sua vida cumprido.
"As opiniões ditas pelos colunistas são de inteira e única responsabilidade dos mesmos, as mesmas não representam a opinião do Gospel+ e demais colaboradores."

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Entrevista Com João Cruzué : "Felicidade é Sentir a Presença de Deus"

Bom dia amados amigos e irmãos na fé! Vejam que entrevista maravilhosa deste servo do Senhor


sábado, 19 de fevereiro de 2011

Entrevista Com João Cruzué : "Felicidade é Sentir a Presença de Deus"




Trago uma entrevista com alguém muito especial : Irmão João Batista Cruzué. Nossa amizade começou através da UBE (União de Blogueiros Evangélicos), ele (por indicação do Eliseu e do Sammis) me fez o convite para participar do projeto e após várias negativas de minha parte,  insistiu e de forma muito impactante me convenceu que há necessidade de obreiros para a seara virtual e que Deus tem propósitos para os que servem com amor. Cruzué é um escritor talentoso e fala profundamente aos leitores de seus blogs entre os quais destaco  Blog Olhar Cristão. Obrigada pela disposição em responder a entrevista, querido João e por compartilhar conosco seu admirável testemunho de vida.

Se eu fosse você não perderia uma linha dessa conversa.
Entrevista por Wilma Rejane 
Quero inicialmente agradecer a oportunidade à Irmã Wilma Rejane,  jornalista cristã, Educadora, e cumprimentar os leitores do Blog  “A Tenda na Rocha”, editado   por ela. Um Blog com excelência, que vem publicando conteúdo com propósito, responsável e genuinamente cristão. Diferentemente dos de outros blogs atingidos pelos ventos   narcisistas, onde a difamação e a fofoca evangélica levam a um “sucesso” fácil, mas que derrubam pontes em lugar de construí-las; assustam os sedentos de Deus com textos difamadores, que vêem apenas a malícia  e hipocrisia em tudo e todos, em lugar de terem um olhar cristão. Parabéns pelo trabalho, irmã Wilma, e mais vez: muito obrigado pela oportunidade.

Me chamo João Batista Cruzué nasci em Ponte Nova, Minas Gerais, moro em São Paulo, congrego na Igreja Evangélica Assembleia de Deus desde 1977, sou presbítero,  casado há  27 anos com a Cléo, tenho duas filhas, um neto e trabalho na auditoria do Tribunal de Contas de São Paulo.


João, nos fale um pouco sobre sua infância

Minha infância foi muito pobre, mas alegre e divertida. Nasci e vivi no campo, ia para a escola a pé até os 12 anos. Minha mãe era uma professora de escola rural, que veio de uma família muito focada em educação. Eu tinha muitos primos para brincar de “tapinha” (pega-pega)  “pique”,  birosca (bolinha de gude),  “tiradeira” (estilingue),  pião na roda, pesca de anzol e peneira, e tomava muito banho no rio – para o pavor de minha mãe. Tinha só dois brinquedos: um caminhãozinho de madeira e uma pequena bola de borracha vermelha.

Mas essas brincadeiras eram coisas de domingo, pois de segunda a sábado o negócio era: estudar, estudar e estudar.  Tenho vivo em minha memória uma cena: minha mãe carpindo o arrozal comigo ao seu lado com um caderno na mão. Era muito cobrado e invariavelmente tirava as primeiras notas da classe.  Meu pai, já falecido, não conseguia fechar as mãos, cheias de calos, dormentes, de tanto usá-las em um cabo de enxada, mas  hoje, eu leio, falo,  traduzo e escrevo em inglês e sou auditor concursado. Valeu a pena.

Não eram apenas brincadeiras e estudos, eu trabalhava também. Desde muito pequeno  lavava as “vasilhas” do almoço, carregava água para o banho de bacia  e socava  arroz no pilão para as refeições da casa.  Isso tinha uma explicação: tanto meu pai quanto minha mãe ficavam praticamente o dia inteiro trabalhando na roça, plantando, capinando e colhendo. Eles eram muito pobres, econômicos, honestos e muito trabalhadores. Aspiravam a uma vida melhor e mais confortável – o que conseguiram lá pelos meus 14 anos.


Quais foram as primeiras percepções sobre Deus?

Desde cedo aprendi a “rezar”.  Era desafiado a rezar o “Padre-Nosso” pelos comerciantes da cidadezinha onde cresci. Se eu não errasse, ganhava uma bala.  Ganhei muitas. Vim de uma família católica, meus primeiros contatos com a oração se deram lá pelos seis, sete anos, quando minha mãe reunia minha irmã e eu para orar o “terço”, de joelhos, olhando para dois quadros na parede da sala. Essas orações não eram muito freqüentes, senão durante as viagens de meu pai. Acho que eu era hiperativo. Assentado nos bancos de madeira durante a missa, eu me mexia muito. Os adultos se importunavam com isso, olhavam feio para minha mãe, e lembro que aconteceu um beliscão certo dia.

Você é pioneiro na blogosfera Evangélica, como se deu os primeiros contatos com blogs?

Meus primeiros contatos com blogs se deram em 2003. Os americanos já tinham essa cultura massificada e elegiam presidentes com eles.  Eu assinava o provedor UOL e eles disponibilizavam alguns modelos para personalização. O espaço era muito pequeno, dava para meia dúzia de linhas e uma imagem, enfim, muito limitado. Depois,  procurando um espaço maior – e gratuito -  encontrei por conta própria o Blogger em 2005.

A Vida Antes e depois do Blogar

Minha vida antes e depois dos blogs não é diferente. Eu luto minhas batalhas diárias contra a presunção e o individualismo. Estou consciente do problema do narcisismo. Meu objetivo, desde os anos 80s, é usar a literatura impressa para evangelizar, o que mudou foi a  forma de fazê-lo. Antes era por um jornal impresso, hoje, a palavra se propaga com uma incrível velocidade do mundo  virtual para o real potencializada pela mais moderna tecnologia de comunicação que o mundo já viu. Minha visão de internet é muito simples: se é possível ser um produtor de conteúdo, por que continuar sendo apenas um passivo leitor? Entendo que minha missão, como cristão, é conhecer e utilizar a melhor tecnologia para glorificar o nome do Senhor Jesus. Esta visão não apareceu com os blogs,  mas com o primeiro jornal evangélico que fui editor lá atrás: Fazer, e fazer melhor a cada nova tentativa.

Antes e depois de Conhecer Jesus

Antes de Jesus eu era um  moço inteligente, mas triste e epiléptico. Depois de Jesus eu continuei inteligente, e duas coisas melhoraram: Jesus me curou da epilepsia e minha tristeza cedeu lugar a uma alegria permanente que vem do Espírito Santo que pela misericórdia de Deus é presente em minha vida. A presença deste Espírito em minha vida,  faz com que todas as outras coisas não tenham uma importância exagerada. Fico ainda mais contente, porque esta paz e alegria estão ao alcance de todos, basta querer e aceitar o Senhor.

João cruzué no dia a dia

Sou uma pessoa comum, que demorou, demorou, mas agora se tornou um vovô. Preocupo-me com a saúde; procuro fazer caminhadas regulares durante a semana e um pouco mais longas no fim de semana, para escapar dos medicamentos – tão comuns depois dos 50. Acordo cedo, não gosto de dirigir em São Paulo, prefiro o transporte público, pois posso pegar uma condução mais longe e descer alguns pontos antes do destino. Como não posso ir de tênis para o trabalho, comprei um sapato com amortecedor no salto. Sou muito caseiro, resistente à festas, gosto de me manter atualizado com o que “rola” no mundo,  e de DVDs de filmes infantis. O filme mais assistido é “Luther” com Joseph Fiennes, depois gosto do “Senhor dos Anéis”, “Matrix”,  “Contato” com a Jodie Foster, os “Três Mosqueteiros” da Disney, com Donald, Mickey e Pateta ; Kung Fu Panda e alguns outros.

Vovô João todo orgulhoso com o neto Nino


Um defeito...

A pressa

Falando em Sonhos

Depois que me tornei um crente em Jesus,  penso que já alcancei a posição mais alta que um ser humano já alcançou. Não pela altura, mais pela consciência de que posso servir melhor à humanidade trabalhando a vocação e os propósitos de Deus para minha vida. Estou longe de alcançar isto; é preciso humildade para se colocar na posição que Deus quer, e humildade é uma virtude  que, quanto mais luto, mais longe parece que ela fica. Eu tenho tudo para ser uma pessoa melhor, mas o que me impede de alcançar isto, sou eu mesmo. Mas continuo tentando. Isso não quer dizer que não tenho alguns objetivos. Quero perder 20 kg nos próximos dois anos, passar na FUVEST em direito para estudar na USP no Largo de São Francisco e  ser um escritor mais conhecido que Paulo Coelho – “he he he”.

O que é felicidade? 

Felicidade para mim é sentir a presença do Espírito de Deus. Depois vem outras coisas, estar junto com a família em casa (apesar da minha rabugice), ter trabalho a fazer, pois fiquei 11 anos desempregado; ver uma alma rendendo-se conscientemente  a Cristo.

Uma Frase

“E uma coisa faço, e é que me esquecendo das coisas que para trás ficam, e olhando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” Filipenses 3:13 e 14. Esta palavra ajudou-me muito no tempo do desemprego.

João, qual a sua oração mais constante?

Minhas mais constantes orações a Deus são pela saúde da minha família.

Considerações Finais

Sou muito grato a Deus e à Irmã Wilma Rejane pela oportunidade que me concederam, para  dizer algumas coisas no blog “A Tenda na Rocha”. Vou aproveitar a oportunidade e o tempo, agora apropriado, para dizer algumas coisas

Eu  posso ver, hoje – início de 2011 - uma cultura  secularista crescendo nos textos de muitos  blogs ditos evangélicos. Quando os irmãos Valmir, Altair,  Eliseu, Lucas, Luis e eu começamos  na UBE tínhamos (ou acho que tínhamos) um propósito de influenciar e romper com uma cultura evangélica  narcisista, farisaica,  (ressalvando as exceções)  com  um novo pensamento em comunicação, democrático, construtivo e comunitário. Queríamos evitar que uma cultura  religiosa hipócrita, elitista, existente na vida real das igrejas, alcançasse a blogosfera antes de nós, com os seus  velhos atores de sempre, aqueles que ocupam todos os espaços, todos os microfones  e todos os  lugares.  Lutamos para que os blogueiros novos aprendessem a se expressar e publicar, difundindo o conhecimento da nova tecnologia,  para que  tivessem voz e dissessem o que pensam. Em parte fomos bem sucedidos  temos visto coisas boas (como o blog A Tenda na Rocha). Nós inserimos o aparecimento dos blogs evangélicos na busca do Google. É muito provável, que não haja uma página de busca onde não  esteja um blog evangélico, ressalvado aquilo que é podre.

Mas não tenho tanta certeza se aqueles propósitos da administração da UBE continuam. Ficamos mais ocupados, mais velhos, mais críticos, mais  intolerantes, mais  individualistas e menos humildes e pacientes. Acho que o primeiro amor se foi. Imagino que ao ter ido mais longe do que pensávamos, paramos e ficamos satisfeitos no local de conforto que conquistamos.

Eu decidi sair da UBE no ano passado, para não repercutir ali dentro a crítica gratuita, a intolerância, o narcisismo, a rabugice.  Naturalmente, houve outros fatores, como a  falta de tempo, pois raramente  dispensava menos de duas horas por dia  na UBE. Quando  passei a trabalhar no Centro de São Paulo, longe de casa, comecei a chegar à noite muito cansado. O tempo diário que me restava, que deveria dedicar à família, passei  a gastá-lo na administração da UBE.

Quando veio o tempo de normatizar a Associação, procurei trazer as pessoas certas e incentivar as que estavam inativas  para ajudar a carregar o piano da UBE que estava cada dia mais pesado. Era preciso de mais colaboradores. Pessoas certas, nos lugares certos. Acho que minha atitude, embora tenha sido muito bem recebida entre os membros da associação, foi mal-entendida, mal-compreendida, não apoiada no núcleo administrativo interno. E para não perder a amizade com os  irmãos administradores, orei,  e tomei a decisão de sair. Na vida cristã, há um princípio que também é um paradoxo: é preciso perder para poder ganhar. Transformei essas palavras em atitude e decidi dedicar à família o tempo  que  ela merecia. Assim a paz dentro da associação continuou, e eu também fiquei em paz com a minha consciência.

Por fim, mudando de assunto, tenho para mim, que para escrever bem, é preciso ler muito e ter uma boa consciência, para não causar aversão à fé nos leitores não crentes de nossos blogs. Eu creio firmemente neste princípio: Eu posso, eu sei escrever, eu escrevo, mas eu escrevo com uma boa consciência, para agradar ao Senhor.

Obrigado.
São Paulo, 19 de fevereiro de 2011.

quinta-feira, 27 de março de 2014

CRIAÇÃO “MORNA” DE PAIS EVANGÉLICOS AFASTA OS FILHOS DA FÉ



O crescente abandono da fé por parte de adolescentes vem sendo objeto de debate há muitos anos. Um novo estudo, conduzido pelo ministério Focus on the Family [Foco na Família] pretende apresentar possíveis respostas sobre a tendência entre os jovens adultos que podem contradizer as previsões catastróficas sobre o futuro da Igreja.
A pesquisa recebeu o nome de “Participação na Fé e Retenção entre os Milenares”. Como o título indica, o foco principal são as opções religiosas da chamada geração milenar (nascidos entre 1980 e 2000) e descobriu que apenas uma pequeno percentual mantem sua fé desse a infância.
O principal motivo é a falta de uma formação clara no lar sobre a questão espiritual. O estudo utiliza dados da pesquisa anual do Instituto Pew e da Fundação Nacional de Ciência Social. Cerca de um quinto (18%) dos jovens adultos criados em lares com pouca influência religiosa declaram não ter atualmente nenhum vínculo com uma fé específica. Por outro lado, 60% por cento dos milenares afirmam que “mantém a fé”.
Entre os que afirmam ser “sem religião”, apenas 11% disse que tinha uma fé forte enquanto criança e viviam em uma casa onde uma fé viva era praticada e ensinada. Em outras palavras, a grande maioria dos jovens que deixam o cristianismo não viveram em famílias com forte convicções religiosas.
“Esta não é uma crise apenas de fé, mas também é dos pais”, observou o Focus on the Family. ”Os pais que possuem um lar onde uma fé vibrante é praticada, ainda que de modo imperfeito, são muito mais propensos a criar jovens que continuem sendo cristãos sérios, mesmo que às vezes passem por crises e questionamentos”, disse o estudo. “Não é surpresa que onde a fé dos pais é ‘morna’, as crianças não persistem mais quando envelhecem”.
O estudo também aponta que 20% dos jovens adultos decidem mudar suas crenças, embora a maioria sai de uma denominação cristã para outra (incluindo católicos). Em geral, o número dos sem religião cresceu cerca de 10% nos últimos 20 anos. Contudo, entre os milenares, muitos desses “sem religião” não abandonaram a fé por completo, mas sim dizem serem espirituais, contudo sem serem religiosos.
O estudo tratou também da questão sobre por que os jovens adultos que se envolvem menos com a comunidade (isso inclui a igreja), são mais propensos a ver as pessoas religiosas como hipócritas ou excessivamente conservadoras.  A resposta parece ser a falta de bons modelos.
Além disso, o estudo observou que os que tiveram uma criação menos religiosa tendem a adiar o casamento e a paternidade. ”Ter modelos fortes de casamentos e de famílias na infância é uma importante fator também na questão da igreja”. Entre as principais conclusões do estudo, está que as famílias que ensinam as crianças de maneira constante sobre fé, desde a primeira infância, têm um maior “índice de retenção” na idade adulta.
Outro fato importante é que as Igrejas que ensinam a Bíblia (evangélicas conservadoras) continuam crescendo. O motivo é que os jovens de hoje querem viver “algo maior que eles mesmos”. Os milenares querem uma fé séria, fundamentada, não uma forma de entretenimento.
Por outro lado, as igrejas que oferecem apenas mensagens positivas e promovem a riqueza estão em declínio. A nova geração parece menos propensa a aceitar o discurso que é preciso apenas “ter fé na força da fé”.

Com informações de BP News – Gospel Prime

OS DEZ PAÍSES MAIS EVANGÉLICOS DO MUNDO



De acordo com o Pew Research, os dez países mais evangélicos do mundo hoje são:
1. Estados Unidos, com mais de 150 milhões de evangélicos.
2. Nigéria, com 60 milhões.
3. China, com 58 milhões (podendo na verdade ser o segundo, com cerca de 100 milhões nas
     estimativas não oficiais).
4. Brasil, com mais de 42 milhões.
5. África do Sul, com 37 milhões.
6. Reino Unido, que já foi o segundo por muito tempo, e hoje está com 35 milhões.
7. República Democrática do Congo, com 32 milhões.
8. Alemanha, com cerca de 30 milhões.
9. Quênia, com 25 milhões.
10. Índia, com 20 milhões de cristãos-evangélicos.

Os dez primeiros países mais evangélicos do mundo somam juntos pelo menos meio bilhão de pessoas, o que representa 60% dos evangélicos do planeta.
Um fato curioso também é que, apesar dos vínculos históricos do protestantismo com a Europa, lá estão apenas 13% dos protestantes do mundo. A maioria dos protestantes do mundo se encontra:

1. África subsaariana, 37%
2. Continente americano (Américas do Norte, Central e Sul, com 33%.
3. Região da Ásia e Pacífico, 17%.
Menos de 1% dos protestantes do mundo se encontram na região do Oriente Médio e Norte da África, regiões esmagadoramente muçulmanas.

Isso significa que, depois do Oriente Médio e do Norte da África, a região do mundo mais carente do evangelho hoje é - Quem diria! - a Europa, seguida pela região da Ásia e do Pacífico, onde, apesar das intensas adversidades, o evangelho tem crescido tanto em países mais abertos ao cristianismo, como a Coréia do Sul, onde 34,5% da população são evangélicos, quanto na China comunista.

Fonte: Mensageiro da Paz,  No. 1532, Janeiro /2013, pp. 5 e 6.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

“O tempora, o mores!” (“Ó tempos, ó costumes!”)

Kevin Haniel




Famosa frase dita pelo Cícero, escritor romano, quando este se conscientizou de que o estado em que a sociedade se encontrava era o de depravação e banalização hedonista. Lembrei-me disso pois estamos chegando na época do famoso carnaval. Nem quero entrar no mérito do “eu gosto, eu não gosto”, porque é uma discussão infindável. Só fico perplexo ao ver a geração Galinha Pintadinha, Ben 10 e Patati & Patatá “louquinha” pra “cair na gandaia”. Pequenos cidadõezinhos entre 10 e 13 anos (quem sabe até os 14-15) agitados ao extremo, alegando que a festa “promete”. Promete o que, queridos? Francamente, que época difícil. Não tiraram nem o “odor de urina das fraldas” ainda e já estão sendo guiados a uma entrega desregrada aos prazeres carnais, movidos a uma musicalidade torpe, ao consumo abusivo de álcool, ao uso de drogas, ao sexo precoce (que são características ímpares e indispensáveis dos famosos “blocos de carnaval”). Só lamento pelo que vejo. Aliás, não lamento. A tendência, de qualquer forma, é só piorar. O mais interessante é ver crianças e adolescentes que vivem em igrejas, templos etc. serem tachados de “retrógrados”, “retardados”, “bestas quadradas” por se privarem, se resguardarem, se negarem a seguir o curso que o mundo segue. O argumento: “porque o bom é libertar a mente, curtir a vida enquanto ainda é jovem!”. Ora, mas que contradição! Pessoas que usam esses chavões geralmente são escravas. Escravas de sua própria natureza decaída que, por sinal, é sedenta por prazeres mundanos e que só se satisfaz quando se “alimenta” do que o próprio mundo tem a oferecer. Festa vai, festa vem, e o vazio na alma sempre continua. E é o mesmo! É uma pena que as novas gerações estejam entrando por esse caminho cada vez mais cedo e que as antigas gerações não estejam muito preocupadas com isso.

Autor do texto: Kevin Haniel

sábado, 15 de fevereiro de 2014




Estes dias o SENHOR me deu uma frase, a qual diz que devemos nascer de novo todos os dias no ESPÍRITO. Daí fiquei pensando em que nós precisamos nascer diariamente...

Então me vieram amente um monte de coisas, entre elas estão: nossas atitudes que não agradam a DEUS, nosso coração duro que não quer perdoar, nossa soberba que nos faz pensar de que somos alguma coisa, nossas palavras que muitas vezes falamos e que machucam tanto a quem as ouve... Enfim, são tantas coisas em que precisamos nascer todo o dia...

Para isso, temos o nosso ajudador que é o ESPÍRITO SANTO de DEUS, é ELE que nos corrige, que nos ajuda, que nos exorta, que nos mostra o caminhos certo, quando queremos vacilar, é ELE que sempre está pronto para nos ouvir e através da palavra de DEUS também podemos aprender a nascer diariamente. Gálatas 5.22

Por isso, amados, nós temos O Manual que nos ajuda a nascer a cada manhã e a Palavra que nos ensina amém! Meditem nesta palavra:

REFLEXÃO:
Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.
João 3.3

Tenham todos um excelente fim de semana na presença de DEUS. Amo vocês no grande amor de DEUS 

TEXTOS POSTADOS

OREMOS UNS PELOS OUTROS PORQUE

OREMOS UNS PELOS OUTROS PORQUE

A RESPOSTA É:

A RESPOSTA É:

DEUS ETERNAMENTE

DEUS ETERNAMENTE

DEPOSITE SUA ESPERANÇA E

DEPOSITE SUA  ESPERANÇA E

AMADOS

AMADOS

DESEJAMOS SEMPRE

DESEJAMOS SEMPRE